segunda-feira, 20 de março de 2017

O Mar

Ele remava, incessante e incansavelmente, em direção a ela. Vinte mil léguas submarinas seriam poucas naquele momento, tamanha era a determinação que alimentava cada remada.

Aos poucos foi se aproximando e, então reduzindo as remadas...Lentamente. Ela já não mais sorria como na noite anterior, não tinha os lábios vermelho vivo, mal abria os olhos. De imediato, ele usou as últimas forças que restavam para trazê-la ao barco e, então, poderem navegar até encontrar socorro.

Doeu, cansou, enjoou, anoiteceu, amanheceu, esquentou, esfriou. Ela não demonstrava lutar mais, não tinha forças; ele, tentava transmitir forças a ela – mas sequer conseguia respirar devidamente.

Aos poucos, foram adormecendo calmamente e, de mãos dadas, repousaram naquele mar. Vida, era como muitos navegantes chamavam àquele mar: desafios constantes o faziam agitar e surpreender quem o enfrentasse, exigiria resistência e bravura mas, no fim, compensaria. E não foi diferente com eles.

Nenhum comentário:

Postar um comentário